"Minha filha não se importa com as minhas lágrimas, pois suas ideias são modernas demais e descartam essa parte"

Ela saiu de casa e foi se encontrar com as pessoas que dizem querer libertar ela. Eu não sei do quê, estamos no Brasil e aqui ha liberdade. Minha filha nunca esteve presa a correntes e sempre foi livre para sonhar, ser o que quiser. Mas ela insistiu em me dar as costas, descartar minha voz de mãe, minha preocupação, o meu amor, meu cuidado e principalmente as minhas orações. Ela faz isso a cada minuto quando pensa estar se libertando, pensando modernamente, relativizando tudo, trocando a realidade por uma falsa consciência que usam contra ela para interessa próprio.

Ela gritou para mim: "Eu luto para fazer o que quiser quando bem entender, ninguém mais pode me dizer o que eu não devo fazer, pois não sou propriedade de ninguém!" O que faltou para ela? Um ser humano não nasce sabendo de tudo, e as vezes mesmo quando ele ainda tem 20 anos de idade, ainda não sabe algumas diferenças. Existem todo tipo de pessoa no mundo, até demônios fingem ser anjos de luz, mas não são. Eu amei minha filha incondicionalmente, vi as suas belas partes, nem sempre fazer o que quer resulta bem.

Ela é uma menina imatura, impulsiva, quando pensa assim só vê o agora, o momento, sem profundidade não sabe que ações tem resultados, consequências e alguns são permanentes. Ainda sim, tê-la foi o melhor presente, ninguém sabe como é ser mãe, até ter um filho dentro de si. Por isso eu disse não para ela, e quando eu fiz isso foi para protegê-la do que eu sabia que iria fazer mal. Se eu sou a mãe dela e a amo, se eu já tive a idade dela e tenho experiência, se eu sou uma pessoa que sabe das consequências e até dos erros dela, então posso dizer não.

Uma coisa ela está certa, não é propriedade de ninguém, mas se fosse sábia não alteraria a voz e insultaria quem é mais importante que é a família dela. Não mataria dentro de si o que ela é para mim e o que nós duas somos uma para outra. As pessoas podem facilmente usá-la e depois descartá-las, mas para mim não importa se ela errou, ainda estou disposta a perdoá-la. Se eu estivesse no lugar dela, e se fosse eu tomando as atitudes dela na idade dela, ela provavelmente não existiria.

Será que ela pensa, se ela também tivesse uma filha, e a filha dela fizesse com ela exatamente o que ela está fazendo comigo, o que ela pensaria? O amor não pode perder para a dor, e um dia ela voltou. Ela me abraçou, ela reconheceu que não se pode lutar contra os laços fraternais mais puros e atemporais, biológicos. Um dia ela reconheceu que quem pretende matar essa preciosidade que é a família, que a compôs, que a fez vir ao mundo, que lhe dou toda a liberdade de ser e viver seus sonhos, essa pessoa não poderia ser levada a sério.

A minha filha é o maior presente que eu poderia receber. E quando alguém a enfrentou na rua, meteu o dedo na cara dela, disse que ela estava no lugar errado, que ela tinha uma mãe em casa que chorava por causa dela e sentia saudade, ela se arrependeu. Eu a perdoei, e a abracei apertado. Quando ela percebeu que a coisa mais importante que foi Deus quem constitui, estava lhe dando não apenas liberdade, mas um amor real, ela se voltou ao que todo ser humano realmente precisa: família.
Tecnologia do Blogger.