A resposta da igreja (Lagoinha) sobre suicídio e o jogos como Baleia Azul

Um nome até simpático e atrativo, com um fundo inofensivo, retratando uma cor de esperança e alento, no entanto, mortal e muito hostil, assim é a forma que se manifesta o “jogo Baleia azul”, em que desafios diários são entregues a adolescentes selecionados, cuja finalidade é retirar a própria vida. A temática central, impulsionada pela sétima arte, por meio do filme “Nerve – um jogo sem regras”, apenas reforça uma sede que parece insaciável e impulsivo por tudo o que é “dark” e “down” e ao mesmo tempo arriscado.

Como se não bastasse, séries como “13 Reasons Why” trazem motivos de que, aparentemente, para um adolescente, é plausível o suicídio, como única forma de aliviar sua dor profunda e incomunicável. Ultimamente, o aumento no número de suicídios, entre adolescentes e jovens no Brasil e no mundo, tem sido atribuído a esses disparadores. Entretanto, como pais e igreja, o que podemos fazer para prevenir tais situações?

Deuteronômio 6.7 relata a necessidade dos pais de ensinar e conversar com seus filhos sobre as Escrituras*. “Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar”. Isso é um estímulo ao campo do diálogo com os filhos, promovendo respeito mútuo e provocando abertura aos filhos no compartilhar de suas emoções e conflitos internos com os pais. 

A fundamentação dos valores familiares, morais, éticos e bíblicos por meio do diálogo enraíza e protege os filhos das possíveis armadilhas do diabo, criando um ambiente seguro de confiabilidade para o adolescente expor seus questionamentos sobre a vida.

Além do diálogo, a qualidade de tempo disponibilizada aos filhos é um fator determinante na afirmação do amor e valor familiar, consolidando sua importância no meio em que vive e criando afinidade afetiva entre pais e filhos. A Palavra de Deus ressalta a importância de aproveitar ao máximo as oportunidades, e isso condiz com nosso tempo também. “Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensatos, mas como sábios, aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus” (Efésios 5.15,16).

O psiquiatra José Manoel Bertolote, consultor da Organização Mundial da Saúde (OMS), fala sobre como ajudar alguém que esteja com sintomas depressivos ou com sentimentos suicidas: “Para o leigo é, sobretudo, se dispor a se aproximar de alguém que demonstra sofrer ou que apresenta mudanças acentuadas e bruscas do comportamento, ouvi-lo e, se não se sentir capaz de lidar com o problema apresentado, ir junto em busca de quem possa fazê-lo mais adequadamente, como um médico, enfermeiro, psicólogo ou até um líder religioso”.

Contudo, como igreja, podemos notar uns aos outros, prestando ajuda aos que mais estão necessitados de atenção e tempo: “Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros” (Filipenses 2.4) e “levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo” (Gálatas 6.2). Dessa forma, dividiremos o peso dos fardos de nossos adolescentes e jovens, cuidando dessa geração e ensinando sobre o poder de Deus: “Uma geração contará à outra a grandiosidade dos teus feitos; eles anunciarão os teus atos poderosos” (Salmos 145.4). 

*Estude os versículos abaixo e entenda como a vida é tão preciosa!

13 RAZÕES POR QUE JESUS MORREU:
Para nos religar a Deus (João 14.6);
Para que tivéssemos acesso à verdade (João 8.32);
Para nos curar (Mateus 8.17);
Para nos libertar (Gálatas 5.1);
Para recebermos a unção do Espírito Santo (João 14.16);
Para acabar com nosso medo (1 João 4.14-18);
Para nos trazer esperança (Romanos 5.1-2);
Para que tivéssemos acesso ao perdão de nossos pecados (Isaías 53.4-6);
Para que fôssemos prósperos (2 Coríntios 9.7-12);
Para que nos tornássemos evangelistas (Mateus 28.18-19);
Para nos dar novo ânimo (Mateus 11.29-30);
Para que tornássemos sonho em realidade (Hebreus 10.36-38);
Para que tivéssemos a vida eterna (João 10.10).

PR. ADRIANO PAULI

Em nossa igreja, temos o ministério Adolescentes Lagoinha, que está à disposição para ajudar pais e adolescentes que necessitem de aconselhamentos, orações ou acompanhamentos. Se você necessita de alguma ajuda para com seu filho, procure-nos. Estamos aqui para ajudá-lo.

Para outras informações, ligue (31) 3270-8600 (Ministério Adolescentes Lagoinha) ou (31) 98793-0011 (Pr. Adriano Pauli).
Tecnologia do Blogger.